Menu

Desafios científicos: por que participar?

Os Desafios e Olimpíadas do Conhecimento (ou Científicas) são competições intelectuais entre estudantes em âmbitos estadual, regional ou nacional nas quais os jovens têm a oportunidade não apenas de avaliar seu desempenho e conquistar medalhas, mas também de desenvolver novas habilidades e ampliar repertórios de experiências e saberes diversos. Em geral, as competições se dão através de avaliações teóricas (provas e produção de textos) e práticas.

Trata-se de situações de aprendizagem que acontecem para além dos limites das salas de aula e podem contribuir de inúmeras formas para o desenvolvimento e amadurecimento dos estudantes. Possibilitam aos alunos vivenciarem alguns processos avaliativos com instrumentos diversificados, abordagens variadas, (re)organizarem-se através de grupos de pesquisa e estudos e intensificarem o tempo dedicado aos estudos. Por acreditar nisso, o Oficina tem tradição em investir no estímulo e preparação dos alunos para vivenciarem estas experiências tão enriquecedoras.

Gustavo Kerner é ex-aluno, foi medalhista de ouro pelo Oficina na Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB), da Unicamp, e atualmente cursa Administração na USP. Gustavo participou de diversas olimpíadas em diferentes áreas do Conhecimento durante sua trajetória escolar e acredita que elas são oportunidades valiosas para lidar com os conteúdos vistos em sala, de outra perspectiva: “Em geral são assuntos que você já dá em sala, mas não naquele estilo de vestibular. A gente é desafiado a pensar ‘fora da caixa’ e isso é bastante estimulante. Auxilia também na hora de escrever uma redação, estimulando outras formas de enxergar as questões, menos cartesianas, e ampliando nosso repertório”.

Para o professor de História Joel Nolasco as Olimpíadas do conhecimento têm a vantagem de estimular o estudo, não apenas pela reprodução do conhecimento, mas fazendo com que o aluno busque a produção desse conhecimento, desenvolva sua autonomia a adquira habilidades e competências.

No Oficina, não há seleção prévia de participantes, exceto se o evento exigir quantidade limitada de inscritos. Acreditamos, de fato, que a experiência é válida e potencialmente enriquecedora para todo e qualquer aluno que se interesse, de modo que as oportunidades devem ser oferecidas de forma igualitária.

Uma carga horária específica com a supervisão de professores das respectivas áreas é destinada, no turno oposto ao das aulas, à preparação dos estudantes. Uma experiência que, ano a ano, vem rendendo não apenas medalhas e excelentes colocações, mas principalmente um incremento no desenvolvimento dos nossos alunos.

Parabenizamos a todos os participantes, que se desafiam investindo tempo e esforço por novos “territórios”  do conhecimento. Para além de medalhas e títulos, amadurecimento e experiência são as conquistas mais importantes.

Confira alguns dos nossos resultados, até o momento, em Olimpíadas 2019:

OLIMPÍADA CANGURU  DE MATEMÁTICA
MEDALHISTAS

  • Miguel Motti de Santana – 6D
  • Guilherme Santos Freitas – 7C
  • Caio Draco Araújo Albuquerque Galvão – 8B
  • Caio Von Czékus Flórez Cabalero – 8C
  • Davi Mengel Costa Coelho – 8C
  • Henrique Anunciação Velloso Silva – 1B
  • Keyla de Jesus Sacramento – 2B
  • João Luiz Araújo Albuquerque Galvão – 6A
  • Júlia Rocha Lucena – 6A
  • Helena Mariza Santa Cruz Freitas Junqueira Moreira – 6D
  • João Vicente Meira Farah Emiliano – 6D
  • Mateus Rocha Lima Ferreira – 6D
  • Raduan Lepikson Midlej – 7D
  • Diogo Coelho Castellanos – 8A
  • Luísa Vídero de Souza Santos – 8A
  • Luma Amarijo Serrão Meira – 8B
  • Ricardo Rocha Bulhões – 8B
  • Danilo Cadena Lima – 8C
  • Isaac Silva Xavier – 8C
  • Janaína Alves Bandeira – 8C
  • David Vaz Macedo – 1B
  • Lara Von Sohsten Ramalho Campinho – 1B
  • Lucas Reis Oliver – 1B
  • Lucca Miranda Nunes – 1B
  • Beatriz Calixto Ribeiro de Lima – 2B
  • Marina Vieira Ziemer – 2B

HONRA AO MÉRITO

  • Guilherme Calheira Sento-Sé Passos – 6A
  • João Rodrigues Queiroz – 6A
  • Lou Pasquali Pereira – 6A
  • Márcio Castro Sampaio – 6A
  • Maria Paula Rego Esper – 6A
  • Pietro Públio Diaz – 6A
  • Bruno Guimarães Bresser – 6C
  • Camila Moreira Martins Beserra – 6C
  • Mel Santa Rosa Beckerath – 6C
  • Sara Federico Povoas – 7A
  • Julia Lemos de Matos – 7D
  • Ângelo Gabriel Almeida Naglieri – 8B
  • João Vitor Guimarães Santos Rocha – 8B
  • Heitor Biagioni Candido – 8C
  • Bryda Liz Figueiredo Morais Peixoto – 9A
  • Carolina de Oliveira Rosa Villalva – 9A
  • Mariana Coelho Pereira Barbosa – 9A
  • Ícaro Cedraz de Oliveira Santos Almeida – 1B
  • Aline Nabuco Lima – 1C
  • Beatriz Latado Braga – 1C
  • Rafael Almeida Azevedo – 1C
  • Luca Torre Villela – 2A
  • Gabriel Sampaio Sobreira – 2B

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA (OBMEP)
ALUNOS CLASSIFICADOS PARA A 2ª FASE

NÍVEL I

  • Márcio Castro Sampaio – 6o A
  • Ana Beatriz Froes Pituba – 6o B
  • Júlia Rocha Lucena – 6o A
  • João Luis Araújo Albuquerque Galvão – 6ª A

NÍVEL II

  • Caio Draco Araújo Albuquerque Galvão – 8ª B
  • João Vítor Guimarães Santos Rocha – 8ª B
  • Luísa Vídero de Souza Santos – 8ª A
  • Maria Fernanda Garcia Damaceno – 8ª C

NÍVEL III

  • Lucas Reis Oliver – 1ª B
  • Victor Guimarães Valle – 3ª B
  • João Pedro de Miranda Caldas – 3ª A
  • Ariele Samira Carneiro da Silva – 2ª B
  • Keyla de Jesus Sacramento – 2ª B
  • Lussier Pasquali Pereira – 3ª A

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA
ALUNOS CLASSIFICADOS PARA A 2ª FASE

  • Alejandro Rodrigues Huerga
  • Arthur Ferreira de Amorim
  • Davi Roriz Oliveira
  • João Pedro Fernandes Gonçalves
  • Lucas Reis Oliver
  • Nathália Barros de Castro
  • Rafael Lins Queiroz dos Santos
  • Rafael Souza Santana
  • Eduardo Almeida Santos
  • João Pedro de Miranda Caldas

OLIMPÍADA NACIONAL EM HISTÓRIA DO BRASIL (UNICAMP)
EQUIPES NA GRANDE FINAL

Equipe III Triunvirato
Equipe Nísia Augusta

 

Gestor desperta alunos para uso da matemática no cotidiano

O Colégio Oficina se baseia na concepção de que a educação é um processo de vida e que a escola deve representar a vida prática presente no cotidiano dos alunos. O Gestor Financeiro, um dos principais projetos pedagógicos da escola, é responsabilidade do Departamento de Matemática e tem sido desenvolvido de modo a evidenciar a importância da matemática para o desenvolvimento de competências nas diversas áreas do conhecimento,  estimulando o interesse dos alunos pelos conteúdos matemáticos por intermédio de atividades significativas e possibilitando que eles enxerguem o valor e os usos da Matemática em situações reais de seu cotidiano.
O objetivo é que os alunos aprendam a organizar-se financeiramente para execução de outros projetos pedagógicos da escola, como o Oficina in Concert. O Gestor permite a aplicação do conhecimento lógico-matemático desenvolvido em uma prática sócio-política, desenvolve competências como planejamento, organização e administração de recursos financeiros, além de trabalhar conceitos como porcentagem, juros, inflação, receita, despesa, entre outros.
Todos os anos cada turma elege 2 representantes para cada projeto pedagógico, incluindo o Gestor, e estabelece quais as funções e metas para cada um deles. Em um segundo momento, os representantes apresentam à turma as planilhas de gastos dos anos anteriores para discussão, comparação e projeção de custos de cada projeto para o ano em vigor. A partir de então, os representantes-gestores traçam e apresentam à turma o plano de ação construído para cada um dos projetos, que em seguida se transforma em um plano mais amplo de ação, contendo a planilha geral de controle de custos de todos os projetos.
Todo o processo é acompanhado pelos respectivos professores de Matemática e coordenadores do Projeto, em um ciclo que tem como foco o ensino a partir da experiência, com vistas à construção de aprendizagens que sejam imbuídas de sentido para os nossos meninos e meninas.

Investimento reforça preparação de excelência para Redação do ENEM

No início de julho o Ministério da Educação (MEC) anunciou que em 2020 começará a aplicar a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) por meio digital em modelo piloto. A prova deverá ser oferecida de forma opcional a 50 mil alunos de 15 capitais brasileiras em 2020 e a previsão é atingir 100% das provas até 2026.

O Colégio Oficina há mais de 10 anos figura entre os primeiros colocados no ranking do ENEM na Bahia, com tradição em notas de destaque nas provas de redação. Esse resultado é reflexo de um trabalho intensivo, cuidadoso e individualizado, com foco nas necessidades reais de nossos estudantes, que se estende do 6o ano do Ensino Fundamental à 3a série do Ensino Médio.

A escola se mantém constantemente atenta às novas demandas e às necessidades dos estudantes, bem como às ferramentas disponíveis para ajudá-los a melhorar seus desempenhos.  Foi com esse olhar atento, que decidimos investir em uma nova parceria, implantando o inovador “Programa Letrus de Escrita” para alunos de 1a e 2a séries do E. Médio. Letrus é uma iniciativa de referência no desenvolvimento das habilidades de produção textual de estudantes no Brasil e os trabalhos já estão sendo implantados nas disciplinas de Redação  do Oficina.

Mas o que exatamente é a LETRUS?

A Letrus desenvolveu um programa capaz de gerar uma evolução rápida e profunda da capacidade de escrita dos alunos, utilizando inteligência artificial e uma equipe de professores especialistas nos gêneros que mais caem nos vestibulares e no ENEM. Trata-se de uma plataforma de correção por meio de inteligência artificial, que leva em conta os mesmos critérios de avaliação utilizados no Exame Nacional.

As produções realizadas pelos alunos são feitas na própria plataforma, digitalmente, e contam com duas etapas de avaliação – um feedback em tempo real, gerado por meio de inteligência artificial, e também uma avaliação posterior feita por corretores especializados na redação do ENEM, que fazem parte da equipe do Programa. Após o envio das produções, tanto os alunos quanto o professor da turma, no Oficina, receberão relatórios de desempenho capazes de apontar os pontos fortes e o que precisa ser melhor trabalhado, tanto individualmente quanto com a turma, de acordo com os critérios do ENEM. As avaliações do grupo e devolutivas individuais são ferramentas preciosas para alunos e professores, que terão assim um referencial claro para direcionar os trabalhos e estudos com foco em intervenções e investimentos ainda mais assertivos.

Uma grande oportunidade para nossos meninos e meninas aperfeiçoarem ainda mais suas produções textuais dentro das exigências do Exame Nacional do Ensino Médio, porta de entrada para as melhores universidades públicas do país.

QUEM PODERÁ PARTICIPAR?
Todos os alunos dos 1° e 2° anos do Ensino Médio já estão participando, sem custo adicional para as famílias, do Programa Letrus Escola, que será focado no trabalho com o professor e integrado à grade de atividades.
A Equipe Letrus oferta ainda, de forma opcional, um Programa complementar e mais amplo, o Letrus Estudante, que pode ser contratado separadamente.

O QUE É O PROGRAMA COMPLEMENTAR E OPCIONAL?
Além do programa curricular, as famílias também podem optar pela Letrus Estudante, um módulo complementar e opcional para os alunos e pais interessados. Os alunos poderão fazer redações extras em casa, com o auxílio da Inteligência Artificial e de corretores especialistas da Letrus. Para aqueles que se interessarem em contratar o programa complementar e desejarem mais informações, basta procurar a coordenação.

Fórum de estudantes: uma celebração democrática

Repensando constantemente novos modelos de ensino e aprendizagem, o Fórum de Estudantes do Colégio Oficina se destaca como uma forma inovadora de pensar a educação. O evento acontece sempre no início do ano letivo e reúne os líderes de todos os Projetos Pedagógicos eleitos no ano corrente para tomarem posse, discutirem o que é e qual a importância da representatividade e liderança com alguns convidados, além de iniciarem os planejamentos dos respectivos projetos (CONESCO, Oficina in Concert, Super Séries, G.A.C.C.O., Gestão Financeira e Conselho de Representantes). No total são eleitos anualmente 6 pares, ou seja, 12 líderes por sala, cada par responsável por representar a turma em um projeto.

Conforme tradição, a diretora Márcia Kalid foi quem proferiu o discurso de abertura deste que é um dos momentos mais importantes do calendário escolar, quando também, oficialmente, o novo grêmio estudantil, representado pela chapa “Speculum”, tomou posse proferindo seu primeiro discurso.

Em um segundo momento da manhã os alunos se dividiram por série para discutir os conceitos de liderança e representatividade com palestrantes convidados. Além disso, tiveram a oportunidade de conhecer outros representantes do mesmo projeto e perceber que fazem parte de algo maior, que engloba toda a comunidade escolar.

No terceiro e último momento, os representantes se reuniram em salas que simbolizavam cada projeto da escola, para discutirem com os respectivos coordenadores o início do planejamento de trabalhos do grupo, debatendo as propostas, desafios e perspectivas das ações a serem realizadas. Assim, os novos representantes trocaram experiências, se conheceram melhor, discutiram o papel da liderança na contemporaneidade e deram o “pontapé inicial” ao calendário de Projetos da escola. representantes .

O Fórum, nas palavras da diretora Magaly Figueiredo, se pretende um exercício democrático de troca e respeito às diferenças e opiniões, de deliberação e amadurecimento coletivo. Uma celebração democrática. “Acreditamos que o Fórum é um momento único e singular desta escola que acredita na participação de todos na formação integral de seus alunos, “meninos e meninas”, arremata.

Poliedro: mais que um sistema de ensino, uma grande parceria pedagógica

Ser parceiro na educação é mais do que compartilhar soluções pedagógicas, é entender que o dia a dia da sala de aula se faz em conjunto, compreendendo a realidade de cada escola e proporcionando as melhores oportunidades de desenvolvimento para todos os alunos. Por isso, mais que um sistema de ensino, o Sistema Poliedro é um parceiro que busca compartilhar saberes, desenvolver soluções e criar sentido para o aprendizado de cada estudante, a fim de proporcionar uma formação de alta qualidade para os alunos. São 25 anos de trajetória desde que o Poliedro chegou a todo o Brasil e vem contribuindo para a melhoria da aprendizagem de muitos estudantes.

Parceria com o Colégio Oficina:

Em 2019, o Colégio Oficina ampliou para a 3ª série do E.M. a adoção do material didático e plataforma digital do Sistema de Ensino Poliedro. A adoção do sistema traz alguns diferenciais que entendemos ser de grande importância para a preparação de nossos alunos e alunas e respectivo ingresso no Ensino Superior.

Dentre os diferenciais, podemos citar a plataforma digital com materiais diversos de alta qualidade de todas as disciplinas, módulos e simulados preparados por especialistas em Teoria da Resposta ao Item (TRI), Correção dos simulados pela forma convencional e pela TRI, familiarizando nossos (as) alunos (as) com essa modalidade tão importante para a compreensão da forma de correção do ENEM, dentre outros.

A Coleção adotada pela 3ª série do E.M. no Oficina é chamada ”Tetra” e seus livros estão organizados por disciplina, compreendendo:

  • 4 cadernos de sala multidisciplinares (Português, Matemática, Física, Química, Biologia, História e Geografia);
  • 4 livros de cada disciplina (teoria e exercícios): Português, Matemática, Física, Química, Biologia, História e Geografia;
  • 1 livro de cada disciplina (teoria e exercícios): Redação ( 2 volumes), Interpretação de Texto, Matemática Básica e Vetores, Língua Estrangeira;
  • 7 tabelas-resumos (Português, Inglês, Espanhol, Biologia, Química, Matemática e Física);
  • 1 caderno Coletânea ENEM e 1 livro Leitura ENEM.
  • Pacote de Tecnologia: Portal P+ Aluno, onde estão disponibilizados: HD Virtual, material digital Poliedro, resolução do material, navegação por assuntos, YouTube EDU, Portal Edros, Portal Khan Academy, PHET Interactive Simulations, Google Arts & Culture, revista Leia Agora.A parceria compreende ainda uma avaliação de sondagem e 5 ciclos de simulados no modelo ENEM.

Uma parceria que busca oferecer os mais completos materiais pedagógicos disponíveis, ferramentas tecnológicas de ponta a serviço da educação e o que há de mais avançado em termos de sistema de avaliação, tudo perfeitamente alinhado à tradição de excelência do projeto Oficina, pensado nos mínimos detalhes para garantir aos nossos estudantes uma formação sólida, humana, crítica e com toda consistência para garantir-lhes, além de uma formação para a vida, condições de ingressarem no curso universitário dos sonhos.

SISU: uma nova modalidade de processo seletivo

O ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio, em sua origem, objetivava avaliar o produto final da Educação Básica no Brasil. Com o passar dos anos, ao se tornar gradativamente um processo de ingresso para a Educação Superior, exigiu de toda a comunidade que sofre sua influência, escolas, professores, alunos, familiares…, o aprendizado de uma nova atitude diante de processos seletivos, pois, como uma das mudanças mais impactantes promovidas pelo ENEM, surge o SISU – Sistema de Seleção Unificada.

Por um lado, o SISU favorece àqueles que pretendem se candidatar aos diversos pólos de Educação Superior em todo o território nacional, pois, como é um processo totalmente informatizado, não exige o deslocamento do candidato para o local de seu interesse. Com isso, economiza-se tempo, dinheiro e o desgaste natural provocado por submeter-se a vários processos seletivos. O SISU possibilita a opção em até dois cursos de interesse do candidato que, através de boletins divulgados pelo sistema, poderá gerenciar sua condição de ingresso no curso pleiteado. Percebendo a impossibilidade de ingresso, poderá, durante o processo, alterar suas opções.

Por outro lado, os desafios desse novo modelo são muitos e exigem da sociedade envolvida mudanças de paradigmas. A nossa abordagem estará voltada para os aprendizados que os alunos e seus familiares precisarão construir, ao lidarem com o novo modelo de ingresso nas Instituições de Ensino Superior- IES. Ao realizar as provas do ENEM, o aluno não estará prestando um vestibular. Pelo menos, não naquele formato conhecido por professores e familiares.

Ao realizar as provas do ENEM, o aluno construirá um escore que será disponibilizado em data previamente divulgada pelo órgão responsável pelo processo – INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Legislação e Documentos. De posse do seu boletim de desempenho, que contém as notas obtidas em cada uma das áreas de conhecimento, o aluno irá para o site do SISU fazer as opções de curso que deseja. Surge a primeira dificuldade: diante de tantas opções, o que escolher?  O exercício da escolha não é uma prática comum entre os nossos jovens que, em uma parcela considerável, não experienciaram a frustração como resultado de uma tomada de decisão.

Diante de um processo que exige que faça a opção do curso que deseja para sua formação profissional, o jovem sente dificuldades em abrir mão de outras opções (será que estou fazendo a escolha certa?), ou  , ao não conseguir ingresso nas opções desejadas, por não ter alcançado o escore necessário, migra para cursos que não deseja, atendendo ao apelo do “não ficar de fora” ou ainda, “se não entrar é um sinal do meu fracasso”. Nesse contexto, a família precisará, por sua vez, desconstruir alguns dos seus paradigmas, para ajudar no processo seletivo de seu filho.

Como é um processo recente, de 2009 para cá, poucos pais de alunos pré universitários passaram pelo SISU como seleção para o ingresso nas Instituições do Ensino Superior.  Querer lidar com o SISU da mesma maneira com que tratou os processos seletivos pelos quais passou pode gerar sérios equívocos, pois o mesmo tem regras muito específicas. Uma delas é a possibilidade de migrar para diversos cursos e áreas, o que o processo para IES pública, via edital, não permite, pois a opção de curso é prévia.

Como proceder diante desse cenário? Atender ao apelo de entrar em uma IES a todo custo ou ponderar as razões que levaram o estudante a optar por um curso que não cogitou? Apoiar na construção de critérios para pautar a opção de curso ou respaldar uma escolha para atender ao chamado social de “não ficar de fora”?  Ensinar a lidar com a frustração de não ver-se contemplado em sua opção, ajudando a fortalecê-lo para ir em busca de alcançar sua meta ou  colaborar com a atitude de “mascarar” a frustração, aceitando o que não é seu objetivo,  para não ter que lidar com a falta?

Muitos são os questionamentos levantados e as possibilidades que o novo formato de ingresso nas IES oferece. Não há uma fórmula para funcionar com êxito diante desse panorama. Há que se estar aberto para conhecer o novo e suas particularidades. Há que se estar atento aos nossos dilemas para não buscarmos as soluções mais fáceis e frágeis em detrimento daquelas que, se bem trabalhadas, poderão fortalecer a nós e aos nossos jovens na busca de seus objetivos.

Autoria: Luciana Oliveira

GINCANA: Autorizações e Informações Importantes

Prezadas Famílias:

Realizaremos a 13ª Gincana na sexta-feira (15/03 das 7h às 18h) e no sábado (16/03 das 7h às 13h), um evento do Grêmio em parceria com o Colégio Oficina. No link a seguir, estão as informações mais relevantes para os familiares, bem como as autorizações para participação dos alunos no evento. Destacamos que TODOS OS ALUNOS PARTICIPANTES DA GINCANA DEVERÃO OBRIGATORIAMENTE ENTREGAR O CANHOTO COM A RESPECTIVA AUTORIZAÇÃO PREENCHIDA, até o dia 11/03 (2ª feira), às 12h, ao Departamento Extraclasse ou à Orientação Pedagógica.

Para ter acesso aos informes e autorizações, clique aqui. 

Comunicado sobre Danças da Gincana

COMUNICADO – SOBRE PARTICIPAÇÃO NAS DANÇAS DE ABERTURA E ENCERRAMENTO DA GINCANA

Salvador, março de 2019

Prezadas Famílias,

A 13ª Gincana do Colégio Oficina, um evento do Grêmio em parceria com o Colégio, tem o objetivo de integrar os alunos. Reforçamos que essa é uma atividade extracurricular, e a participação do(a) aluno(a) é OPCIONAL.

Algumas tarefas que serão apresentadas nos dias da gincana (15 e 16 de março) precisam ser elaboradas antes. Duas dessas atividades são as danças de abertura e encerramento do evento. Chamamos atenção que a elaboração dessas danças não acontece nas dependências da escola. As equipes ficam responsáveis pela definição dos espaços e horários desses ensaios que não contam com a participação de representantes do colégio.

Para informações sobre horários e locais dos ensaios, favor consultar os líderes das equipes da gincana.

Atenciosamente,
Maria Fernanda P. Tôrres Sampaio
Deptº Extraclasse

Regulamento da Gincana 2019

COLÉGIO OFICINA – GINCANA 2019

REGULAMENTO

01. A Gincana tem o intuito de sociabilizar os alunos com o objetivo, principalmente, de formação, desinibição, congraçamento, informação, diversão, divulgação cultural e assistência social.

02. Será realizada nos dias 15 de Março (das 07h às 18h) e 16 de Março (das 7h às 13h00) de 2019.

03. Período de inscrição: até o dia 13 de Março (quarta-feira), às 12h30.

04. Os líderes de cada equipe assinarão a ficha de inscrição e serão os intermediários entre a Comissão Organizadora e os membros da equipe.

05. Valor de inscrição de cada equipe é de R$ 1.763,00 (mil setecentos e sessenta e três reais) e a cota do grêmio é de R$ 1.011,00 (hum mil e onze reais) para quitação da produção da gincana. Esse valor deverá ser pago até o dia 11/03, no Deptº Extraclasse das 8h às 12h. O descumprimento desse prazo acarretará no CANCELAMENTO DO EVENTO.

06. No ato da inscrição, os líderes das equipes fornecerão o nome e ilustrações que identificarão a equipe e que, depois de aprovadas pela Comissão e Diretoria do Colégio Oficina, prevalecerão até o final da Gincana.

07. Cabe aos líderes participar aos membros da equipe todo o conteúdo do Regulamento e das tarefas pedidas.

08. Somente os líderes ou seus substitutos poderão receber e entregar tarefas e comunicar-se com a Comissão.

09. No dia da gincana, cada líder deverá estar vestido com o colete entregue pela comissão.

10. Serão exigidas honestidade, lealdade e firmeza dos membros da equipe. O respeito entre os componentes será de suma importância. Brigas ou discussões que perturbem a ordem e a segurança dos membros das equipes ou de alunos e seus familiares, ou que comprometam o bom nome do Colégio, resultarão na suspensão e/ou eliminação da equipe.

11. Serão oferecidas a cada equipe duas salas para o Q.G., durante o dia da Gincana.

12. Os alunos participantes da Gincana NÃO poderão ingerir ou portar bebidas alcoólicas e/ou similares no Colégio ou fora dele sob pena de eliminação do aluno na Gincana, além de serem passíveis de punição pelo Colégio.

13. A conferência das tarefas, no final de cada etapa, será feita pelo fiscal e, caso haja necessidade, pelos líderes da equipe.

14. Somente os líderes e o substituto poderão ter acesso à sala da Comissão Organizadora. A equipe que permitir o acesso de qualquer de seus membros à sala da Comissão, sem autorização prévia, estará sujeita à perda de 10 (dez) pontos.

15. Durante a fase de preparação da Gincana, os gincanistas se obrigam a respeitar determinações da Direção do Colégio Oficina e da Comissão Organizadora sob pena de perda de pontos para a equipe e até de eliminação do gincanista de participar da gincana.

16. Os líderes participarão de uma reunião final para passagem de pontos junto à Comissão Organizadora.

17. Não farão parte da Comissão elementos que, de alguma forma, atuem no trabalho das equipes. Os membros da Comissão e técnicos não poderão torcer por nenhuma equipe, nem fornecer informações relacionadas com cumprimento de tarefas.

18. A Comissão Organizadora será autônoma no que se refere à elaboração de outra tarefa, caso haja empate após a contagem final dos pontos, visando a determinar a equipe vencedora.

19. Liberadas as tarefas e estipulada a hora de entrega, não haverá dilatação dos prazos, seja qual for o motivo apresentado.

20. Observar-se-á com extremo rigor e exigência o que for pedido na tarefa.

21. Só poderão ser inscritos na equipe alunos regularmente matriculados no Colégio. O número de componentes é liberado, desde que haja o número mínimo de 05 (cinco) alunos por sala, abrindo-se espaços para ex-alunos (no máximo 15) por equipe.

22. As tarefas da Gincana só poderão ser cumpridas por membros da equipe regularmente inscritos; é terminantemente proibida a troca de membros de qualquer equipe. O descumprimento acarretará em perdas de pontos para a equipe transgressora.

23. A lista de inscritos deverá ser entregue ao Deptº Extraclasse até o dia 13/03 em formato digital aberto (excel). Se houver alguma inscrição posteriormente a entrega, essa SÓ PODERÁ SER REALIZADA juntamente com o Deptº Extraclasse e previamente autorizada pela GANG, fazendo assim com que as listas da equipe e da escola sejam atualizadas simultaneamente. O NÃO CUMPRIMENTO DESSA REGRA ACARRETARÁ EM PERDA DE PONTO PARA A EQUIPE.

24. A lista de ex-alunos da equipe deverá ser entregue até o dia 07/03, quinta-feira. O NÃO CUMPRIMENTO DESSA REGRA ACARRETARÁ EM PERDA DE PONTO PARA A EQUIPE.

25. O(s) líder(es) ou seu(s)  representante(s) só poderá(ão) entrar, em sala para avisos e comunicações do dia 16 de Março em diante, 15 minutos antes dos intervalos e com PERMISSÃO POR ESCRITO DO SUPERVISOR/ ORIENTADOR DAS SÉRIES ENVOLVIDAS, DOS AUXILIARES DE DISCIPLINA OU COORDENADOR DA GINCANA E COM ANUÊNCIA DO PROFESSOR. As reuniões das equipes só poderão ser feitas durante os intervalos  improrrogavelmente; o descumprimento de qualquer das partes deste item acarretará perdas de ponto para a equipe.

26. Qualquer outra irregularidade não prevista no regulamento, e a ser julgada pela Comissão, implicará perda de cinco ou mais pontos para a equipe.

27. Durante o período da duração da Gincana, não pode haver comercialização de alimentos nas dependências do Colégio Oficina.

28. Nos Q.Gs. não será permitida a presença de nenhuma pessoa que esteja sem camisa da equipe, a não ser para cumprimento de tarefa.

29. Não será permitida a direção de veículos por pessoas não habilitadas pelo Detran.

30. É proibido o porte de qualquer objeto que possa representar perigo para o portador ou para outras pessoas.

31. Todos os gincanistas deverão estar trajados de forma condizente com o ambiente escolar.

32. A ESCOLA NÃO SE RESPONSABILIZA POR OBJETOS ESQUECIDOS, DEIXADOS OU PERDIDOS NO COLÉGIO OU EM SUAS IMEDIAÇÕES, BEM COMO POR AQUELES TOMADOS POR EMPRÉSTIMO DE OUTRA(S) PESSOA(S).

33. O stand que será solicitado na tarefa divulgação deverá ser desmontado 1(um)  dia antes da tarefa DOAÇÃO (dia 13/03). NÃO É PERMITIDO deixar NENHUM material do stand no local onde ele foi montado. O colégio não se responsabilizará por esses objetos esquecidos, bem como o NÃO CUMPRIMENTO DESSA REGRA ACARRETARÁ EM PERDA DE PONTOS PARA A EQUIPE.

34. Após a contagem dos itens da tarefa doação, é de responsabilidade da equipe organizar os itens em caixas e/ou sacos plásticos. O não cumprimento dessa regra acarretará em perda de ponto para a equipe.

35. Não é permitida, sob pena de eliminação da equipe, a prática, por membros das equipes, dos chamados pedágios, viradões ou similares.

36. Não será consentida falta(s) às aulas para cumprir solicitações ou conseguir patrocínios, sendo penalizadas as equipes cujos participantes não atenderem a essa determinação.

37. A escola se exime de responsabilidades por festas  organizadas por equipes e não poderão conter bebidas alcoólicas ou similares, eliminando-se componente(s) que se envolverem em brigas corporais ou desacatos a terceiros de natureza agressiva.

38. É totalmente proibida a saída do Colégio, de qualquer componente de equipe para o cumprimento de qualquer tarefa que seja, sem uma prévia autorização dos coordenadores da Gincana ou da Direção e de autorização escrita pelo Pai, não cabendo ao Colégio responsabilidade caso ocorram acidentes, assaltos, agressões, roubos e outras situações e fatos semelhantes. As equipes terão um cota de 15 alunos do ensino médio para cumprimento de tarefas externas. Estes alunos só estarão liberados mediante entrega de autorização expressa dos pais por escrito e assinada. As 15 vias para autorização devem ser retiradas com o departamento Extra Classe e entregues até o dia 07/03, quinta-feira, às 12h, no mesmo departamento.

 39. Toda e qualquer tarefa só terá validade quando apresentada por um dos componentes da Comissão constando no mesmo papel, as assinaturas dos coordenadores e/ou da Direção do Colégio.

40. Às 10h de sábado, dia 16/03, os QG’s das equipes deverão estar limpos e organizados. O NÃO CUMPRIMENTO DESSA REGRA ACARRETARÁ EM PERDA DE 80 PONTOS PARA A EQUIPE. O CUMPRIMENTO DA REGRA BONIFICARÁ EM 50 PONTOS A EQUIPE.

41. Não será permitido o patrocínio das equipes por estabelecimentos que façam publicidade na gincana de bebidas alcoólicas, cigarros, motéis, blocos e bandas de carnaval, festas, de partidos políticos e candidatos a cargos eletivos.

Comissão Organizadora, Salvador, 26 de Fevereiro de 2019.

 

Feira do Troca Troca incentiva consumo consciente

Na primeira semana de aulas realizamos mais uma edição da já tradicional “Feira do Troca Troca” de livros do Colégio Oficina e foi um sucesso!

A feira funciona assim: disponibilizamos um espaço na escola onde pais e estudantes podem comercializar entre si livros de anos anteriores que estejam em bom estado. A sugestão é que, com base na tabela de valores atuais, os livros sejam revendidos pela metade do preço. Para facilitar, disponibilizamos as tabelas com os valores atuais dos livros novos para consulta na área reservada para o evento.

Além de ajudar a aliviar os gastos da família com material escolar, a feira tem como objetivo ser uma experiência educativa e conscientizadora, estimulando a cultura da reciclagem, do reaproveitamento, do consumo consciente e a utilização responsável e cuidadosa dos livros didáticos por parte dos alunos. Super importante, não?

Se você perdeu a edição desse ano e ainda tem algum livro para negociar, não se preocupe. Disponibilizamos também um mural estilo “classificados” em frente à recepção, para quem porventura ainda queira comprar ou vender algum item.  Dá uma olhadinha e divulga lá sua demanda! Ainda dá tempo! 💚